A Hóstia e o Sangue

Um conto criado dentro das histórias vivenciadas no Projeto M.E.D.O.

Escrito por: Taz
Personagem: Alecsander Magânos
Criatura: Vampiro
Clã: Toreador
Seita: Camarilla

Abaixo da igreja do monastério, esta felicidade desperta seu benfeitor

"Preso aos pecados pregressos em toda carne. Nossa alma almeja a salvação"

Já é fim de tarde, o Sol se põe, o badalo da igreja anunciam que a missa tem início. Até ontem o sistema de som era uma gravação dos sinos. Hoje ele é real, cristalino e poderoso.

Os fiéis se levantam e aplaudem em grande felicidade a novidade. Os sorrisos se espalham pela paróquia.

Abaixo da igreja do monastério, esta felicidade desperta seu benfeitor.

As peles cortadas pelos açoites da noite anterior começam a fechar e as marcas de sangue desaparecem da pele clara.

O monge que ali esteve e vigiou seu sono de ancião, está feliz por ter seus pecados sorvidos do corpo.

“Obrigado peregrino por perdoar meus pecados.” É o que ele diz enquanto sente sua alma tocar o CÉU.

“Que o nosso Deus o guie em seus dias.” O ancião respondeu terminando de vestir seu "hábito" para acompanhar a missa do início da noite.

Algum tempo depois a missa termina.

A hóstia dividida gentilmente toca a boca de todos que procuram a comunhão com o Salvador:

"Pelo corpo do Salvador seu pecado é perdoado. Que o sangue vertido lave suas dores!" Assim diz o pastor.

E seguindo em fila seu rebanho responde em uníssono:

"Amém!"