O século XXI

Trechos do livro Mind’s Eye Theatre: Vampire The Masquerade Ed. 2013.
Tradução livre por BNS Project.

Êxodo dos Separatistas

Da meditação, vem a compreensão. Na quietude, há um toque de morte. Lembre-se, jovem: o silêncio pode ser uma fonte de grande força.
- Tegyrius, Justicar Assamita

Os Filhos de Haqim silenciosamente retiraram-se da sociedade vampírica após a humilhação do Tratado de Tyre. Eles serviram discretamente aos Príncipes em todo o mundo como assassinos em troca de dízimos de sangue, que foram usados pelo Amr para pesquisar formas de quebrar a maldição Tremere. A chegada da Estrela Vermelha agitou um Matusalém antigo chamado ur-Shulgi, que dormia por quase 2.000 anos nas profundezas de Alamut. Conhecido como Águia, ur-Shulgi reivindicou o Trono Obsidiano e imediatamente quebrou a maldição Tremere de seus companheiros de clã, permitindo que eles voltassem a diablerizar outros vampiros mais uma vez.

Como o novo Ancião de Alamut, ur-Shulgi exigiu que o clã voltasse a seus modos antigos - práticas e crenças já não seguidas pelos assamitas modernos - e proibiu a adoração de Allah. O cisma interno resultante quebrou o clã em dois. Sentindo que seu senhor representava um perigo terrível, Al-Ashrad, os Feiticeiros de Amr, fugiram de Alamut com uma facção fragmentada composta principalmente de vampiros da casta dos Vizir. Eles solicitaram a adesão à Camarilla e foram eventualmente aceitos como um clã pilar da Camarilla. Tegyrius, um especialista jurídico antigo que disse ter marchado com Alexandre o Grande, tornou-se Justicar Assamita.

As Noites do Tumulto

"O mundo está virando uma merda, mas temos um trabalho a fazer".
- Theo Bell, Justicar Brujah

Com medo do significado da Estrela Vermelha, muitos vampiros buscaram o conhecimento da Gehenna e maneiras de se protegerem místicamente enquanto se preparavam para o fim dos tempos. A Camarilla tentou ignorar as Noites do Tumulto, matando qualquer um que divulgasse informações sobre a Estrela Vermelha. Depois que os Gangrel abandonaram a seita, o Círculo Interno foi forçado a reforçar seu poder sobre principados e domínios, temendo que outros clãs pudessem seguí-los. O desespero levou alguns Membros a fazer acordos literais com demônios, aceitando pactos infernais.

Um pequeno grupo de vampiros, conhecidos como Arcontes Josianos, foi comandado pelo Círculo Interno à se encarregar das investigações sobre Gehenna e erradicar a corrupção infernal dentro da Camarilla. A população de Membros ignorou em grande parte os Josianos até o apontamento do Jústicar Tegyrius. Sob sua influência, os Josianos adquiriram apoio político significativo e conseguiram derrotar a propagação do infernalismo na Camarilla.

A cruzada do Sabá contra a Camarilla perdeu força quando os cainitas perderam a fé na Estrela Vermelha e gastaram demasiado seus recursos. Um grupo bem organizado de caçadores mortais atacaram o Sabá, populações devastadas em Detroit, Porto Rico e Manila. Os caçadores mortíferos e as agências governamentais secretas rastrearam dioceses inteiras do Sabá e as destruíram.

A Camarilla, que teve mais sucesso evitando a atenção dos caçadores mortais devido à sua Tradição da Máscara, evitou a maior parte desses assaltos de caçadores. No entanto, a tragédia atingiu em 2010, quando muitas vezes, o impetuoso Justicar Brujah, Jaroslav Pasek, encontrou a morte final em uma incursão à luz do dia, nas mãos de uma gangue perversa de caçadores, que supostamente empunhava Fé Verdadeira contra ele. O substituto de Pasek, o lendário Arconte Theo Bell, reuniu a Camarilla e reduziu as perdas ao mínimo.

A falha da Máscara estava da espessura de um fio de cabelo e a culpa caiu sobre os sem Clã. As fileiras de Caitiff foram destruídas simplesmente pelo crime de falta de um clã. Arcontes e Príncipes, com entusiasmo, realizaram massacres na Camarilla para reprimir os medos de seus cidadãos. O clamor para a erradicação desde então esfriou, mas a maioria dos Caitiff mantêm sua natureza em segredo, temendo a morte final, ou algo pior, se eles forem descobertos.

Theo Bell

Theo Bell, Justicar Brujah

Conhecido por suas visões anti-estabelecidas sobre a Camarilla, foi uma grande surpresa para a sociedade dos Membros Theo Bell aceitar a posição de Justicar Brujah, depois que os caçadores derrotarem cidades inteiras do Sabá e seu antigo empregador.

Muitos acreditam que Bell temia que o Círculo Interno reagisse exageradamente na violência dirigida à população mortal, especialmente depois que o Círculo Interno criou a posição de Imperator.

Outros especulam que o recém-renovado respeito de Bell pela Camarilla tem algo a ver com seu Senhor, Don Cerro, e o crescente conflito entre os Brujah e os Ventrue.

O Edito da Sucessão

Após as Noites de Tumulto, a Camarilla percebeu que, para garantir a longevidade da seita, precisaria encontrar uma maneira de retardar o aumento dos Caitiff e deter a superpopulação de vampiros em áreas não Camarilla. Os caçadores mortais estavam em ascensão, e as cidades com um número significativo de vampiros arriscadas à investigação e erradicação por essas agências. Em 2007, o Edito da Sucessão foi emitido por Anastasz Di Zagreb, Justicar Tremere, e ratificado por quatro Justicars adicionais: Cock Robin dos Nosferatu, Guil dos Toreador, Lucinde dos Ventrue e Pascek dos Brujah.

O anúncio foi recebido com trepidação e celebração. O edital estabelece um novo status quo político, colocando o poder nas mãos de quem tem domínio - seja Anarquista ou totalmente Camarilla. Enquanto um domínio Anarquista mantiver um limite de Abraço, seus líderes recebem autoridade para governar como acharem conveniente, e seu território estrá seguro da incursão da Camarilla. Aceitar a proteção sob o Edito é reconhecer os laços dos Anarquistas com a Camarilla. Legalmente, o Edito de Sucessão simplesmente define a relação entre as duas seitas conforme estabelecido no Tratado dos Espinhos. O edito implica que a Segunda Tradição seja sacrossanta, e alguns argumentam que, portanto, pode eventualmente candidatar os Giovanni, Seguidores de Set ou qualquer outro grupo que não esteja ativamente envolvido na guerra contra a Camarilla (ou seja, o Sabá). Os Justicars não fizeram qualquer esclarecimento ou proclamação sobre essa questão minuciosa da lei.

Vários anciãos e Príncipes vêem isso como uma vitória, ambos fortalecendo a Segunda Tradição e trazendo os Anarquistas mais próximo do limiar. A proibição contra o abraço generalizado beneficia a Camarilla de três maneiras. Em primeiro lugar, proíbe a criação da cria que, como são abraçadas por anarquistas de sangue fraco, provavelmente serão Caitiff. Em segundo lugar, ele evita que o número total de Anarquistas cresça rapidamente. Por fim, impede a superpopulação geral, ajudando assim a manter os vampiros como um todo escondidos da vigilância dos caçadores.

Alguns guerreiros dentro da Camarilla vêem na ideia a incapacidade de recuperar as cidades anarquistas através da força de armas. No entanto, o politicamente astuto rapidamente percebeu que a apreensão da práxis ainda é possível, semelhante a um Príncipe fraco que caiu para um sucessor mais forte; O Edito simplesmente significa que o intruso ansioso deve ser um pouco mais politicamente cauteloso. Além disso, domínios Anarquistas que crescem para desfrutar da proteção da Segunda Tradição (enquanto mais ou menos sustentando a Terceira) podem tornar-se complacente ou até mesmo encontrar-se aproveitando os benefícios de um domínio seguro. Alguns desses territórios podem mesmo se converter para a Camarilla, acreditando que as outras Tradições já não causam tanta afronta.

As Palavras de Suas Graças

Os Justicars são juízes de todos, Camarilla e Anarquistas, pois, na forma da Convenção de Espinhos, a Torre é uma e a mesma. Como uma seita, a Camarilla sustenta seis Tradições, embora os Anarquistas sejam obrigados a apenas uma. No entanto, nesses tempos difíceis, o peso da população ameaça a todos nós. A Segunda Tradição afirma claramente: "O teu domínio é a da tua própria preocupação. Todos os outros vos devem respeito enquanto nele. Nenhum pode desafiar a tua palavra enquanto estiver no teu domínio." Os Justicars reconhecem que, mesmo que Anarquistas não abracem o idioma da sociedade educada ou se refiram a si próprios como Príncipes, eles claramente mantêm a praxis sobre seus domínios; Como anarquistas são cidadãos da Camarilla, de fato, esses domínios são Camarilla. Portanto, ampliamos a proteção da Segunda Tradição aos domínios Anarquistas, desde que esses territórios não prejudiquem a sobrevivência de todos nós. Com isso em mente, o seguinte edito é proclamado: Qualquer domínio Anarquista em paz com os Justicars, e não em rebelião aberta, nem se envolvendo em desafios contra eles, serão respeitados enquanto seus cidadãos restringirem a ocasião de Abraço a não mais do que três nos anos entre cada Conclave. Os territórios que desafirem este edital não devem mais ter a proteção do Segundo, e Suas Graças apoiarão o retorno desses domínios a uma práxis mais responsável.

O Curioso Caso do Príncipe Tara e o Domínio de San Diego

A notória Anarquista Tara aventurou-se na Califórnia no início da Segunda Revolta Anarquista, buscando uma oportunidade de ganhar poder. O apoio de suas crias foi um fator importante na derrota de Don Sebastian e sua aliança. Quando os anarquistas precisavam de alguém para liderar a luta em San Diego, Tara imediatamente se ofereceu. Uma vez lá, Tara descobriu que o Príncipe de San Diego havia sido morto. Rapidamente, ela se declarou Baronesa de San Diego. Com o tempo, uma gangue rival de Anarquistas a expulsou, forçando-a a fugir da cidade.

Tara esperou até que seus inimigos tivessem sido enfraquecidos ao lutar contra o Sabá e depois retornou com uma força própria. Uma vez que tinha assegurado a cidade, ela entregou formalmente seu posto Anarquista e jurou lealdade à Camarilla para obter apoio em sua reivindicação na cidade. Pouquíssimos vampiros de San Diego a desafiaram, já que estavam cansados da luta dentro do domínio.

Eles esperavam que a Camarilla trouxesse paz e ordem ao domínio que há tanto tempo via apenas guerra.

O Levantar do Imperador

Durante as Noites de Tumulto, o Círculo Interno criou uma nova posição - o Imperador - responsável por proteger a seita dos mortais e liderar a guerra da seita contra o Sabá. Um número de vampiros potentes lutou pela posição em todo o mundo.

O clã Brujah propôs um candidato surpreendente. Germaine, um notório criminoso anarquista na Lista Vermelha, buscou clemência e remoção da lista de Anátema. Assim como um Anarquista retorna ao eixo, o retorno de Germaine teria sido um golpe premiado aos Brujah e à Camarilla. Surpreendentemente, a Justicar Guil não se opôs à sua nomeação, apesar de alguns resmungos silenciosos dos Toreador.

Karsh, então o Senhor de Guerra, fez uma oferta sombria na última noite para reivindicar o título de Imperador. Ele enfrentou um impasse. Muitos vampiros ainda estavam rancorosos que os Gangrel abandonaram a Camarilla. Karsh prometeu que uma noite, em breve, os Gangrel procurariam retornar ao eixo.

A assembléia, especialmente o Justicar Assamita Tegyrius, protestou contra a proposta de Karsh até que vários anciãos Ventrue voltassem seu apoio à Karsh, revelando uma carta de apoio verificada do próprio Hardestadt.

Apesar da determinação dos Brujah de ajudar um dos seus próprios que havia sido injustamente tratado pela Camarilla, o Círculo Interno nomeou Karsh Imperador, concedendo-lhe autoridade significativa para criar uma força militar para a proteção da seita. Esta manobra política levou a mais um período de tensão entre os Ventrue e os Brujah.

A primeira ação do Imperator foi convencer um Príncipe Nosferatu, Stanford Warwick, a romper com a tradição de solidariedade dos Nosferatu e descobrir os planos do Sabá. Warwick decidiu vender seus irmãos antitribu para salvar uma cidade cheia de vampiros Camarilla.

O Círculo Interno usou a informação de Warwick para defender Cleveland e erradicar uma série de bandos Sabá, que teria se alimentado perigosamente da população. A Espada de Caim foi forçada a recuar.

Após essa vitória, a Camarilla forçou ao sul para retomar Atlanta e ao oeste da Geórgia, segurando bandos Sabá em Birmingham e Montgomery. Uma zona desmilitarizada formada ao longo da fronteira com o Alabama, a qual ainda se mantém nas noites modernas.

Amor e Revolução: Germaine e a Lista Vermelha

Quando neófito, Germaine seduziu a Condessa Toreador de Adhemar, uma cria de Justicar Guil, e juntos, eles filtraram informações de volta para seus aliados Anarquistas para manter os Brujah um passo à frente dos Toreador. A estratagema funcionou, e os revolucionários franceses conseguiram capturar o rei e a rainha antes que pudessem escapar de Paris. Os Toreador sentiram profundamente a derrota, e eles sabiam que alguém dentro do clã os havia traído. A Condessa de Adhemar usou toda a sua astúcia para esconder sua culpa durante a investigação que se seguiu.

No final, os Toreador culparam Germaine e, em sua fúria, lançaram-no como Troféu. Madame Guil fez pouco para rastrear Germaine. O Sabá repetidamente tentou recrutá-lo. A Condessa de Adhemar também tenta implacavelmente destruir Germaine e encobrir seu envolvimento na revolução há mais de 200 anos.

Justicars Atuais

  • Anastaz di Zagreb . Tremere
  • Lucinde . Ventrue
  • Madame Guil . Toreador
  • Tegyrius . Assamita
  • Theo Bell . Brujah
  • Stanford Warwick . Nosferatu
  • Dona Manuela Bolívar, La Llorona . Malkaviana
Os Justicars

Os Decretos do Círculo Interno

Em 2011, o Círculo Interno realizou o seu 41º encontro oficial na Veneza, de acordo com o cronograma estabelecido quando a seita foi fundada (a cada 13 anos). Essa reunião resultou em várias mudanças significativas. Em primeiro lugar, em troca de sua lealdade à seita durante seu serviço a Karsh, Stanford Warwick aceitou o compromisso de se tornar o Nosferatu Justicar. Muitos Camarilla Nosferatu fervorosamente o amaldiçoram por sua traição ao clã, mas há pouco que possam fazer para punir o ambicioso vampiro sem arriscar terríveis consequências.

Em segundo lugar, o Círculo Interno silenciosamente "esclareceu" sua posição oficial sobre os Antediluvianos e encorajou seus operadores a espalhar essa nova propaganda em toda a Torre do Marfim. Ao invés de alegar que essas criaturas não existem, a seita agora afirma que os progenitores são pais e mães amados, e os contos antigos exageram sua perigosa fome.

O Círculo Interno afirmou que Bangladesh foi destruída porque Ravnos foi atacado, não porque ele desejava o sangue de suas crias. No entanto, a seita ainda considera a heresia do Livro de Nod, uma invenção supersticiosa do mito perpetuada pelo Sabá. Todos os que são encontrados com esse conhecimento são condenados como simpatizantes do Sabá, traidores da Camarilla. Todos, exceto os mais jovens, estão conscientes de que, até recentemente, a "linha do partido" sobre os Antediluvianos era algo muito diferente dos pontos de vista agora declarados abertamente nos Elísios pelos anciãos que juraram calmamente o oposto há alguns anos atrás. Poucos são tolos o suficiente para apontar essa inconveniente verdade.

O Retorno do Clã Pródigo

“Vamos provar, com nossos corações e nosso sangue, que podemos mais uma vez ser líderes da Torre do Marfim.”
-Darren Lockwood, Gangrel Guardião de Elysium, Detroit

Durante o seu tempo no auto-exílio, os Gangrel formaram uma tênue aliança com os Tremere. Durante as Noites do Tumulto, os Tremere falaram verozmente contra a exclusão dos Gangrel e contra a posição do Círculo Interno de que os Antediluvianos não existiam, citando suas próprias experiências com o suposto infernalista Saulot durante a Idade das Trevas.

O Sabá voltou sua atenção para os isolados Gangrel, uma vez que acabaram com os Seguidores do Set e os Giovanni, pensando que poderiam pressionar o clã inteiro à se juntar a Espada de Caim. O Clã Tremere viu a chance de fazer de um ex-inimigo um aliado e providenciou os Gangrel com uma ajuda crucial contra o Sabá, o que permitiu que os Andarilhos escapassem.

Mais tarde, o Clã Tremere convenceu os anciãos Gangrel a retornar à Torre de Marfim e renovar os laços de lealdade. Ficou claro para os Gangrel que o Sabá não os deixaria em paz para procurar seus próprios caminhos. Em 2011, o Círculo Interno aceitou os Gangrel de volta à Camarilla, embora o clã tenha sido negado as graças e os louros especiais oferecidos aos clãs pilar.

A aliança tensa continua mesmo após o retorno do clã Gangrel; O clã de Andarilhos não esquece uma dívida. Embora tenham sido recebidos novamente na Camarilla, os Gangrel ainda são ovelhas negras da seita, um constante lembrete do fracasso do Círculo Interno em enfrentar a ameaça que quase destruiu a todos eles. O Círculo Interno ainda não nomeou um Justicar Gangrel, e diz-se que levará algum tempo antes que os Gangrel sejam considerados um dos pilares da Camarilla mais uma vez.

Imperator Karsh fala pelos Gangrel ao Círculo Interno quando é necessário, mas os detalhes das conversas são desconhecidos. Poucos já ouviram falar do Círculo interno em várias décadas, levando muitos a se perguntar quem está dirigindo o destino da Camarilla. O Imperador continua a manter suas tropas, chamando-as pelo antigo título Myrmidon, afirmando que elas são necessárias para enfrentar muitos perigos ainda presentes à seita. Rumores abundam que Karsh pretende tomar o controle da seita, substituindo o Círculo interno por uma liderança mais militar.

A Quebra da Promessa

Em 2010, o Clã Giovanni enviou uma declaração privada ao Círculo Interno, afirmando sua intenção de quebrar a Promessa. Eles alegaram que seu clã precisava se envolver completamente com a sociedade dos Membros para sobreviver após repetidos ataques do Sabá às explorações do clã.

A impudibilidade percebida incensou a Camarilla, que viu esta declaração como um desafio ao seu poder e autoridade sobre os assuntos mortais e a Máscara. Uma pequena facção entre os Ventrue, liderada por Purissimma Geiss, argumentou a favor de uma aliança com os Necromancers. Os Tremere e os Brujah encontraram um terreno comum sobre este assunto e rejeitaram severamente tais indicações. O clã Tremere não queria que outro clã com domínio da magia do sangue inchasse as fileiras da Camarilla e ameaçasse seu monopólio. Os Brujah recentemente perderam vários dos seus próprios interesses aos Giovanni, especialmente em Las Vegas, e não estavam com vontade de apoiar os Ventrue ou seus aliados.

A Camarilla ameaçou uma segunda guerra contra os Giovanni até que um número de Seguidores de Set usasse um número incontável de dívidas centenárias de dezenas de membros altamente classificados na Camarilla, incluindo o próprio Círculo Interno.

Como resultado, a Torre de Marfim capitulou silenciosamente, anunciando que o Clã Giovanni foi libertado da Promessa, mas que foram excluídos da adesão à Camarilla. Os Giovanni pareciam bastante contentes com essa limitação, desde que tenham permissão para realizar negócios abertos sem assédio.

O anúncio da nova Aliança Independente fundada em Las Vegas recebeu um silêncio gélido da Camarilla. Os historiadores recordam o antigo comércio de especiarias entre Veneza e Egito, e acham bastante natural que estes dois clãs encontrem um terreno comum. Muitos anciãos acreditam que esses dois clãs notórios não são muito confiáveis para manter esse acordo. Eles antecipam que a separação da aliança deixará rivais amargos nos dois grupos e proporcionará oportunidades futuras na Jyhad.

Vitória para a Camarilla na América do Sul

O Sabá e a Camarilla contestaram amargamente pelo controle da América do Sul durante todo o século XX. As seitas envolvidas em conflitos ferozes usando táticas de guerrilha. Isso proporcionou uma abertura crítica; Em um único dia, uma cabala de caçadores organizada, ardendo com fé verdadeira, derrubou uma série de bandos no Brasil, Argentina e Paraguai, deixando uma abertura para a Torre de Marfim reivindicar o domínio sobre essas terras.

Os restos esfarrapados do Sabá, uma vez poderoso, foram conduzidos ao exílio em vez de encarar a nova Justicar Malkaviana, Dona Manuela Bolívar. Os infiltrados do Sabá capturados, com medo de falar seu nome verdadeiro, só tremiam ao pensar nela e sussurravam o nome de "La Llorona".

Liderados por Alexandria, Príncipe de Buenos Aires, a Camarilla influenciou sutilmente um projeto de modernização rápida em muitas cidades, estimulando a economia alavancando os ricos recursos naturais e ajudando a conquistar os países para a Torre de Marfim. Há rumores de que o próximo Grand Conclave será hospedado na América do Sul.

Dona Manuela Bolívar, Justicar Malkaviana

Alegadamente, Dona Manuela Bolívar é uma jovem anciã nascida nas praias da Venezuela. Alguns acreditam que ela está relacionada com a lendária revolucionária Doña Manuela Sáenz. Por respeito, os membros da Camarilla se referem a ela como “Libertadora del Libertador” ou a Libertadora dos Libertadores, por ter expulsado o Sabá do território da Camarilla.

Bolívar é conhecida por ser fala mansa e gentil, mas assustadoramente perspicaz. Foi uma surpresa quando os infiltrados do Sabá capturados reagiram com um terror até então desconhecido, em sua presença. Alguns questionaram por que esses monstros ligam a Justica Malkaviana à lenda de La Llorona, ou a Mulher Chorona. Alguns especularam que Bolívar é muito mais antiga do que a Camarilla foi levada a acreditar e poderia ter sido a inspiração para a deusa asteca Xochiquetzal.